A História da meia

Put them ON, pull them UP, and go about the rest of the day


Sim! Se você se interessou pela pauta do nosso blog você também faz parte do Club Socks Lovers, e eu diria não estar surpreso com isso. Meias são, e sempre foram peças indispensáveis para a evolução da nossa história e até mesmo a sobrevivência do ser humano. Mas calma, chegaremos lá mais adiante.

Quando falamos de meias, o que vem na sua cabeça? Existem milhares de opções nesse universo da moda chamado meia. Do material ao estilo, das combinações de cores as estampas. Meias para esportes, para dormir, para trabalhar, para crianças, para se jogar no sofá e ficar quentinho, ou até mesmo, aquela “meia da sorte”.
Mas de fato, qual a história das meias? De onde elas vieram?

THE BASIC – História sobre as MEIAS:
Infelizmente nós não saímos da barriga de nossas mães com meias nos pés, então de onde elas surgiram?
Bom, elas existem há séculos, desde as primeiras versões sendo simplesmente pelos de animais, até hoje em dia, feitas de matérias como algodão. É claro que as coisas evoluíram ao passar dos séculos, mas a essência não mudou tanto com o passar do tempo. Afinal, uma boa meia é uma boa meia, o importante é sentir-se confortável.

Ancestrais Gregos:
Antes das meias, existia uma peça muito usada pelos gregos chamada de piloi, considerado aqui como uma pré-meia, mas esse produto não era exatamente o tipo de produto que você gostaria de ver em uma loja de departamentos. Elas eram feitas de pelo de animal emaranhado, algo não muito confortável para você usar com um par de tênis rsrs. Mas é importante lembrar de onde elas vieram, não é mesmo?!

A múmia das meias:
O par de meias mais antigo que existiu foi inventado por volta de 300-500 A.C. e, além de algum desgaste, a estrutura é muito semelhante à que temos hoje em dia. Você pode até mesmo pensar nelas como uma meia de cor brilhante e dedos dos pés divididos. A propósito, esse dedo foi partido para que os antigos egípcios pudessem usá-lo com suas sandálias.

As meias chegam em Roma:
Se pulássemos para Roma na mesma época, também encontraríamos peças de roupas que pareceriam com as meias. Eram chamados de indones, tipo de envoltório que os romanos colocavam em volta dos pés, geralmente feito de couro ou tecido. Muito usado entre os soldados para proteção contra o frio.

Pés sagrados:
Na Europa no século V, pessoas consideradas sagradas aos olhos da igreja usavam perneiras(puttees), que pretendiam simbolizar pureza. Eram pedaços de pano enrolados na parte inferior da perna e mais tarde se tornaram populares entre vários militares em todo o mundo, para assim garantir uma proteção aos pés. Afinal, você já tentou andar com meias ou pés molhados e sujos? Não é uma boa ideia.

A Meia se torna Status:
Avance um pouco (pense em 1000 D.C) e as meias se tornam um símbolo de status para a burguesia. Naquela época a confecção das meias eram muito mais trabalhosas do que hoje em dia. Essa mão-de-obra, junto com cores vivas, materiais finos como a seda, tornou-se as meias em um produto extremamente caro e exclusivo. Se você olhar para obras daquela época (como a da idade média), poderá observar muitas pinturas feitas com coroas e belas pernas.

Produção em massa, “mais ou menos”!
As meias permaneceram durante muito tempo praticamente inalteradas, até que ocorreram dois momentos significativos que mudaram esse cenário: O primeiro surgiu em 1589 com a invenção da máquina de tricotar, que permitiria que as meias fossem feitas com muito mais rapidez e eficiência, embora esse método de produção estivesse um pouco à frente de seu tempo e só tenha decolado de verdade até o início do século XIX.
A Segunda seria a grande descoberta…

A grande descoberta do náilon:
Embora os métodos de produção tivessem avançado ao longo do tempo, não foi antes de 1938 que o verdadeiro grande avanço das meias aconteceu, chamado ele de Náilon. A elasticidade, o conforto e a facilidade do material eram muito populares na época, mudando de vez o conceito das meias.

As meias de hoje em dia:
Com a fabricação controlada por todos os lados, o mundo das meias realmente se abriu por completo. As meias tubulares entraram em cena, as curtas, as compridas, as estampadas e os mais diversos tipos florescem até hoje.

Percorremos um longo caminho para chegarmos até aqui, desde pelo de animas até a criação do náilon, algodão, lã, poliamida e por aí vai. E graças a Deus que a tecnologia nos ajudou, ninguém merece ir à academia com pelo de animais nos pés. rsrs

Biografia:
How to wear socks – John Jannuzzi
Tradução e Adaptação – Arthur Padovan

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo